ABOUT

”Nossa ação, mesmo a totalidade de nosso ser, incluindo tanto o bonito como o feio, o certo como o errado, o grande como o pequeno, parece provir de um acervo de possibilidades, de modo que elas se relacionam com seu conceito, que expressa a sua lei interior e a sua essência lógica, sem que a signifição deste conteúdo dependa do se, como e quão frequentemente ocorre sua realização”

(SIMMEL, 2005 apud SOUZA; ÖELZE, 2005, p. 48)

''Muitas relações são marcadas pela ausência da permanência, onde os seres se deslocam num ciclo volúvel, reforçando a condição de ser fluido, capaz de compartimentar fragmentos de sua memória e transformá-las em análogos editáveis.


 


Assim, é possível entender a representação e manipulação da imagem como etapas de um ritual de esquecimento, onde a artista, escolhe a técnica da antotipia para compactar lembranças e inseri-las num tempo a ser observado – de formação e resistência da imagem.''

(Patricia Stagi)